Transports à Paris

20120612-062347.jpg

Bonjour!

Como um bom brasileiro, acordei cedo e fui jogar futebol um tanto quanto longe de casa, zona 3 (fora de Paris) o famoso banlieu parisiense (periferia, no sentido apenas periférico da palavra).

Essa “viagem” já que para isso tive que pegar um metro e um trem durou 45 – 50 minutos, poderia até pegar um ônibus, mas acabei andando os 15 minutos que faltavam para chegar numa das cidades que entornam Paris.

Aliás muito simpática a ville de Cauchan.

O título seguido da foto é a minha satisfação e agradecimento com o transporte por aqui, e como um bom transporte público numa cidade populosa pode fazer diferença. Paris é 15 vezes menor que São Paulo (isso, QUINZE), e possui uma das maiores malhas de transporte público do mundo.

Sujo, feio e simples eu sei, como costuma adjetivar os turistas que passam por aqui, mas eu não to nem ai, aproveito e muito bem dessa sujeira que simplesmente me leva para todos os lugares sem algum problema. O metro faz parte da cidade e está enraizada nas pessoas. Comunicamos-nos e vivemos socialmente com o total suporte do transporte público, posso dizer que por aqui, temos um problema a menos!

Como curiosidade, eu moro na linha 12 (verde, no norte, no metro Jules Joffrin), Champs Elysees e Arco do Triunfo ficam na linha 1 (amarela), torre Eiffel na linha 6 (verde) Bir-Hakeim , Notre Dame na linha 4 (roxa) Cité. Além de outros monumentos que por aqui são espalhados quase por cada canto.

Ah, ainda esqueci de falar que tudo isso pode ser feito de bicicleta pelo prático Velib. Mas isso fica para outro dia.

A bientôt!
Filipe

Macarons à Paris

Bonjour!

Um dos doces mais famosos na França, os “Macarons” são originados da Itália (mas alguns dizem que foi criada na França mesmo). Criado na idade média e trazido para a França pela Catherine de Médici rainha da França e então esposa do Rei Henry II. Seu reinado foi curto, no século XVI, mas ele foi conhecido entre outras coisas, pelas batalhas na Áustria e Itália além de influenciar na nossa história, pois foi um dos responsáveis pela famosa França Antártica, expedição colonizadora Francesa em terras brasileiras.

Voltando ao doce. É um biscoito meio crocante, meio suspiro, de diversos sabores. Entre eles há o de chocolate, baunilha, pistache, frutas vermelhas e coco. Ao vir à Paris, não deixe de saboreá-los, as lojas são um convite para uma tarde de café. As principais lojas em Paris que produzem os Macarons são:

LADURÉE – 75, Av Champs Elysée. O endereço não podia ser mais turístico, é uma casa bonita de esquina, sempre lotada é parada obrigatória para quem passeia pela famosa avenida. Um pacote de 8 macarons custa em torno de 16 eur. (Um pouco cara, mas vale a pena!). Existem outras lojas por Paris e pelo mundo, o site é convidativo: www.laduree.fr

PIERRE HERMÉ – Uma loja de doce de Paris que é conhecida pela alta qualidade dos produtos e o glamour. Há uma loja na Galerie Lafayette, para quem pode fazer uma comprinha aproveite os doces também, e para quem não pode (como eu!), aproveite apenas as delicias dessa loja! A Galerie Lafayette é um destino bem procurado para os adoradores do glamour, vale a pena conhecer. Há outras lojas espalhadas pela cidade também.

UM DIMANCHE À PARIS – Essa é a minha preferida, a loja é bonita e fica num dos melhores lugares da cidade, o 6ème – Saint-Germain-des-Prés, Endereço: 4-6-8 Cour de Commerce Saint-André. O lugar é conhecido pelos pequenos bistrots, galerias e vielas que parecem do século XVIII. Numa das pequenas ruas se encontra essa loja de doce, além disso, eles também servem chá, café, salgados entre outros. Além de venderem um chocolate em barra feito por eles. Ótimo lugar para uma paradinha para o café.

Devem ter outras lojas tão boas quanto essas. Paris é incrível por que a cada esquina é uma surpresa, e uma boa loja de doces pode estar ao lado, quem souber de outros lugares me avise!

A bientôt!

Filipe

Ah o Printemps!

A coluna do Filipe hoje, dá vontade de largar tudo e ir para Paris fazer um pic-nic!! Essa coluna é semanal, se quiser ler todos os artigos clique em Coluna Filipe

 

Bonjour!

É engraçado como por aqui as estações do ano são sentidas e vividas diferentes. Não sei se é um caso particular de São Paulo, ou de países tropicais, mas não conseguimos ver uma grande diferença entre as estações, em São Paulo é: Calor/Chuva ou Frio/Seca. Pode ser talvez a rotina que nunca me deixou dar conta dessas diferenças enquanto morava em Sampa, mas por aqui vejo isso com clareza, não só pelo tempo, mas também pela atmosfera.

A primavera chegou enfim por aqui, após algumas semanas de nuvens e chuvas constantes o sol deu o ar das graças, o calor chegou (média 25 graus), a cidade se prepara para a estação das flores, jardins e parques lotados e pessoas mais felizes! Sim, é incrível como o humor das pessoas muda nessa estação, após um inverno triste e intenso, vêm à redenção! Roupas claras e coloridas, bares e bistrôs cheios até altas horas (já que o sol se mantém até 22h!), a borda do Sena jovens bebem e comem ao ar livre, dá para sentir a diferença no ar.

É uma ótima época para vir para Paris, não está tão calor e nem tão lotado quanto o verão, principalmente julho e agosto, manhãs frescas e dias quentes, é uma ótima época para se passear e por que não, curtir o sol num dos inúmeros parques de paris, abaixo segue alguns:

Parc Monceau, no 17ème é um parque bem charmoso (é o da foto), com lindas fontes e um grande espaço para crianças brincarem. Não é dos mais conhecidos, mas garanto que é um dos mais belos. Metro Monceau linha 2.

Jardin Luxembourg, conhecido pelo belo jardim e o castelo que hoje abriga o senado francês, muitos atletas amadores aproveita seu grande espaço para fazer seus treinos, além disso, uma grande fonte no meio, rodeada de diversos bancos e espreguiçadeiras é um convite para aproveitar o sol. Num canto do Jardin, há quadras de tênis para os praticantes, mas é preciso reservar. RER B (trem) Luxemboug ou Linha 12 do Metro, Notre Dame des Champs.

Invalides, o museu das armas e local onde está enterrado Napoleão Bonaparte possui grandes jardins que ficam cheios nos fds ensolarados, as grandes calçadas permite um passeio de patins ou skate para os adoradores. Ambos os lados de Invalides pode ser aproveitado, o de frente para o Sena é um pouco maior e mais turístico, se quiser um pouco mais de discrição, vá para a parte de trás, do lado de École Militaire. Linha 8 Metro e RER C Invalides.

Jardin des Tuileries, parte do grande complexo do Louvre, separa o Museu da Praça Concorde. O grande jardim possui lindas fontes, um pequeno Arco, jardins bem desenhados e árvores, as cadeiras do mesmo estilo do Jardin de Luxembourg são o convite ideal para uma boa tarde. Dependendo do local, há uma bela visão para a Torre Eiffel. Pequenos restaurantes e lanchonetes estão espalhados pelo jardim. Linha 1, Metro Tuileries.

Torre Eiffel, os gramados de frente para a torre são ótimos para um passar de tarde, claro que estarão sempre cheios, já que estamos de frente para um dos monumentos mais visitados do mundo, mas é bem agradável ver as diferentes pessoas que passam e se encantam com a torre. Para chegar a Torre recomendo o Metro Trocadero, linha 6 ou 9, onde se tem a melhor vista, mas os jardins são logo abaixo da torre, uma caminhada de 5 minutos em direção da Torre.

Há mesmo outros lugares para aproveitar o bom tempo em Paris, fazer um picnic, ler um livro ou apenas beber um bom vinho e curtir a vista, mas sempre é bom respeitar os horários e o lugar, muitos não abrem a grama antes do verão.

A bientôt!

Filipe

ps. A foto é do blog la petite cucina – http://lapetitecucina.wordpress.com

Feliz Aniversário Cannes!

Mais um post direto da França!!

Bonjour!

O famoso festival de cinema de Cannes está sendo realizado nessa semana pelo 65º ano. Durante os dias 16 a 27 de maio filmes, artistas, diretores e curiosos desfilam pela cidade litorânea francesa.

Há duas possibilidades para aproveitar Cannes: À distância onde informações de novos e premiados filmes vão estrear e quem sabe chegar ao circuito comercial, como um bom adorador da sétima arte sempre procura ler sobre os filmes e vencedores do prêmio.

Cannes costuma premiar filmes independentes e com um lado mais humano e menos fantasioso, além de ser um festival mundial (apenas dois filmes Franceses foram vencedores nos últimos 30 anos, e um brasileiro na história “O Pagador de Promessas” (1962) de Anselmo Duarte).

Os prêmios são divididos entre a competição oficial que concorre a Palma de Ouro e outras categorias como: “um certo olhar”, fora da competição, sessões especiais e curtas. É uma divisão meio complicada mas que vale a pena checar os seus vencedores no final. Os rumores é que esse ano está acima da média em nível dos filmes, bom para nós! Estão dando destaque para os filmes:

– Moonrise Kingdom do diretor Wes Anderson (Royal Tenembaums, Viagem a Darjeeling e The Life Aquatic of Steve Zissou).

– On the Road de Walter Salles (Central do Brasil e Diários de Motocicleta)

– De Rouille et D’os do Jacques Audiard (Le prophète)

Essas são algumas dicas do que pode sair de bom após o festival, fiquem ligados. O site do festival possui informação completa sobre os filmes e participantes: www.festival-cannes.fr (traduzido em todas as línguas)

Uma segunda possibilidade é viajar até Cannes na época do festival, essa para os amantes de viagens e cinema e para os que tiverem mais tempo e dinheiro. Cannes é uma pequena cidade no Sul da França, próxima a Nice (aeroporto mais próximo). Durante o festival há cinema ao ar livre, workshops e eventos, e quem sabe uma espiadela no seu ídolo preferido.

Pelo festival a cidade encarece, o glamour do tapete vermelho toma conta do lugar, mas um cinema ao ar livre na praia foge do script. Recomendo uma viagem por todo o sul da França, ficando em Nice alguns dias dá para conhecer Monaco, St Tropez, Grasse e a própria Cannes de trem ou alugando um carro. Nessa época o tempo é muito agradável e as cidades ainda não estão tão lotadas devido ao verão!

A bientôt!

Filipe

Le Relais de Venise

Coluna semanal do nosso correspondente internacional.

Achei engraçado, pois estava pensando em fazer um post do L´Entrecote do Olivier essa semana! rsrs… Comparando com o abaixo, até desanimei..

Bonjour!

O post de hoje é um protesto! A foto acima é do Relais de Venise, restaurante que ganhou fama pelo prato único de bife e batata frita, um molho fantástico e a clientela fiel, chamado por muitos de “l’entrecôte”.

E ele é em PARIS! E não na Mario Ferraz ou em outro lugar do Itaim e nem em outros lugares do mundo! O original é daqui, e como tal, ele ostenta na porta da frente à frase “não existe nenhuma filial desse restaurante em Paris”, mal sabe ele que em terras tupiniquins estão copiando e ganhando em cima da ideia.

Perto do metro “Porte Maillot” na linha 1 (amarela) em Paris, na 271, Boulevard Pereire. Esse restaurante ostenta mais de 50 anos de tradição com o mesmo prato! Não é para qualquer um.

Explicando o protesto: Dizem, pois eu nunca fui, que no Brasil a ideia foi copiada, e pior, que o tal dono do disse que a receita é de sua tia avó criada há tempos atrás. Mas pessoal ledo engano!

Portanto se vierem para Paris não deixem de passar no Le Relais de Venise, aposto que não se arrependerão, junto com o vinho da casa e uma sobremesa, tudo sairá uns 35 euros! Um pouco caro, mas que vale a pena! A fila na porta já um convite.

A bientôt!

Filipe

 

Viagens Low Cost pela Europa

Mais um do nosso correspondente internacional rs.. Ta super completo, adorei!

Bonjour!

Como um bom brasileiro, estudante e de orçamento apertado, minhas viagens por aqui são nos “esquemas” low cost, e acreditem a Europa é um ótimo lugar para viajar (isso é claro), mas sobretudo bem barato! Então para os mochileiros, estudantes, viajantes ou desbravadores, fiquem atentos às dicas e oportunidades.

Quando viajar: Eu sei que nem todo mundo tem essa comodidade de escolha, mas se tiver, recomendo as viagens na Primavera (Março-Maio) ou no final do Verão (Setembro-Outubro), pois aqui se faz muito frio e no inverno alguns passeios fecham, e no pleno verão as coisas estarão BEM lotadas, além do risco de pegar alguns lugares fechados por causa das férias (Julho ou Agosto).

Trajetos: Primeiro planeje-se com antecedência, os maiores descontos estão na antecedência das compras e os horários extremos (Peguei um voo Paris-Viena ás 7h30, se eu tivesse que seguir a cartilha deveria ter chego 5h30 no aeroporto!), empresas de voo como Rynair e Easyjet voam para quase todos os países europeus, além disso, cada país possui sua companhia aérea low cost como a Vueling na Espanha ou a Niki na Austria/Alemanha. Os trens são sempre ótimas opções, mas recomendo apenas trajetos curtos, infelizmente os trens rápidos são raros no sul da Europa (Portugal, Espanha, Itália…), além disso, trajetos longos além de demorados ficam mais caros pela troca de trens. Mas os trens possuem preços acessíveis quando comprados com antecedência, e a melhor de todas as comodidades dos trens, os horários: não há check-in, mala despachada ou qualquer burocracia do tipo, com o bilhete na mão é montar no trem e partir! Além disso, os trens são ótimos por saírem e chegarem sempre nos centros das cidades, o que te economiza tempo e dinheiro com os quase sempre longos e caros trajetos aeroporto-centro. A Europa é pequena, mas nem tanto, já fiz um trajeto Berlim-Praga de ônibus, muito barato, mas cansativo, essa me custou 6h de vida. Mas se topa ir de ônibus, vá! São BEM baratos!

Sites de transportes: www.momondo.com e www.skyscanner.com

Hospedagem: As grandes capitais europeias possuem uma rede bem desenvolvida de hotéis, albergues, bed & breakfast ou qualquer coisa que valha. As comodidades são quase sempre de boa qualidade com um preço acessível. Atente-se aos preços dos hotéis no leste europeu, eles tendem a ser bem baratos e de quebra uma exclusividade de banheiro e quarto, um luxo para os viajantes low-cost! Recomenda-se sempre uma antecedência, existem sites que cobram uma taxa de 10% para reserva, o que já lhe dá uma segurança de hospedagem.

Sites de hospedagem: www.booking.com e www.hostelworld.com

Passeando: Os passeios e museus são quase todos pagos pela Europa toda, há poucas exceções como o British Museum em Londres que é completamente free, mas de qualquer forma informe-se antes se aceitam carteira internacional de estudantes, entrada para jovens (< 25 muitas vezes) ou dias que são gratuitos (mas geralmente bem concorridos). Quase todas as cidades possuem um “city pass”, é um passe para diversos passeios que se compra tudo de uma vez, isso lhe dará um belo desconto!

Altamente recomendado os “free tours” ou “walk tours” pela cidade, são tours guiados de curta duração (2-3h) geralmente pelo centro histórico das cidades, nele os guias contam a história da cidade, monumentos, museus, história do país, língua, cultura, restaurantes, bares e etc. Informe-se nos hotéis ou albergues, muitas vezes os mapas das cidades possuem a propaganda desses tours, e o melhor, são gratuitos! Na verdade eles trabalham por tips (gorjetas), portanto dê o quanto você acha que valeu!

Segurança: Uma dica muito importante, a Europa é um continente muito seguro, baixas taxas de violência e roubos, porém sempre temos espertinhos golpistas ou pick-pockets, mas como diz o ditado: “cão que foi mordido por cobra, tem medo de linguiça”, ou seja, nós como bons brasileiros e conhecedores da violência do dia-a-dia somos mais vigilantes por natureza (infelizmente), mas sempre é bom avisar!

Vistos e Entradas: Nós brasileiros possuímos visto de turista para QUASE todos os países europeus, portanto informe-se antes a necessidade de visto de entrada, caso contrário, apenas o passaporte em dia é o bastante. Mas para uma boa entrada sem sustos: Leve dinheiro suficiente (dizem que 500 euros/dólares por mês) compre pelo menos a passagem de ida e volta para o Brasil e leve-a como comprovante que você tem dia certo para a volta, comprovante de hospedagem também é uma boa, caso vá ficar em casa de amigos, procure se informar se há algum tipo de carta-convite, um seguro saúde também é necessário, os seguros são baratos e segundo informações consulares são imprescindíveis para a entrada na Europa, as empresas de cartão de crédito, dependendo do nível do cliente, possui esse serviço de seguro gratuito.

De resto, Bon Voyage!

P.S: A foto é de um filme, que não é dos meu preferidos, mas conta um pouco das viagens pela Europa! Um besteirolzinho que vale a diversão!

Filipe

Política de gente grande!

Pessoal, o Filipe que fez o post “Estudar fora ou não, eis a questão”, topou fazer uma coluna semanal, nos atualizando sobre os acontecimentos econômicos, políticos e culturais, direto da Europa! Para inaugurar a coluna, nada melhor que o assunto “Eleições na França” que está em destaque essas semanas!  

Bonjour!

Para os desavisados, estamos em plenas eleições na França, o primeiro turno foi no domingo dia 22 de abril, e o segundo turno será no dia 6 de maio. O título é uma alusão para a diferença da forma de se tratarem política aqui no velho mundo.

O primeiro turno das eleições foi vencido pelo Partido Socialista de centro-esquerda do François Hollande com aproximadamente 29% dos votos, o segundo colocado e atual presidente da França da UMP (União por um Movimento Popular) de centro-direita, foi o Nicolas Sarkozy com aproximadamente 27% dos votos. Quanto aos outros candidatos uma “triste” surpresa, mas historicamente compreendida. A candidata de ultradireita Marine Le Pen obteve expressivos 18% de votos, enquanto o candidato de extrema esquerda Jean-Luc Mélenchon obteve 11%. Essa expressiva votação para a ultradireita criou e está criando diversas manifestações da mídia nas últimas semanas. A candidata possui opiniões extremistas em relação à imigração, União Européia, políticas educacionais e outros assuntos polêmicos. Essa corrente da ultradireita européia não é novidade por aqui, outros países como a Alemanha, Áustria, Holanda e Inglaterra, viram florescer as ideias extremistas com o agravamento da crise, por isso digo que historicamente é compreendido, mas seguimos temerosos.

Mas o objetivo não é criticar os planos de governo dos candidatos, mas discorrer sobre a forma de fazer política por aqui, bem diferente da brasileira. Primeiramente me surpreendeu a quantidade de TVs, Rádios e Jornais que se interessam por política (não existe horário político gratuito na França, mas a maioria dos meios de comunicação são públicos), não existe propaganda política na mídia, mas existem extensivos debates, críticas, “mesas redondas”, que abordam as opiniões de TODOS os candidatos quase que com o mesmo tempo de exposição. Houve 10 candidatos à presidência, e posso dizer que pelo menos seis deles estavam todos os dias na mídia, se não eles, mas membros de seu partido discutiam planos, projetos, assuntos polêmicos como emprego, dívida pública, imigração, religião e etc. Foi quando eu comecei a fazer uma triste comparação com o Brasil.

Horário político gratuito (não democrático), excesso de propaganda nas ruas (mesmo se a lei não permita, ainda há os que se arriscam), comícios onde o objetivo não é ouvir o candidato, mas ver o show da banda que você gosta (sim, bandas são contratadas para fazer comícios), tempo escasso nos debates para TODOS os candidatos (só para lembrar, estamos numa democracia), debates manipulados (como não se lembrar da manipulação da Globo nas eleições Collor x Lula?), tudo que infelizmente vem minando nosso sistema eleitoreiro.

É triste para um país que possui avanços enormes como a urna eletrônica, mas atrasos como o voto obrigatório. Além da demora de uma reforma política e mais democrática. Podíamos aprender com o velho mundo a fazer política, não à politicagem e sim à liberdade e igualdade na política. Dessa forma formaremos cidadãos mais conscientes de seus atos e votos.

Mas será que parte disso não é culpa nossa? Do povo? Não damos valor para a democracia, alimentamos o sistema bipolar político brasileiro e terminamos sempre dizendo “isso nunca vai mudar, político é tudo igual”. Para quem se interessa por política vale a pena acompanhar de perto, não é só de torres, vinhos e queijos que são feitos os franceses, é de se admirar a consciência política do povo francês. Nessa eleição houve 20% de abstenção (o voto não é obrigatório), um número relativamente pequeno para um país do tamanho da França.

A bientôt.

Filipe

Ps. Foi a única foto que eu consegui de todos os candidatos, essas placas são expostas na frente de todos os locais de votação.

Sites úteis sobre política francesa/europeia: Na França: http://www.lemonde.fr (Periódico conhecido no mundo todo, tem um viés político e não possui um lado declarado, diferente do Figaro (direita) e do Liberation (esquerda) se você estiver procurando uma visão “neutra” das coisas, mas estão todos em francês).

Para os que gostam de uma leitura mais carregada, recomendo o Le Monde Diplomatique Brasil (À venda em quase todas as bancas por aproximadamente 10 reais, é uma revista mensal sobre política, economia, cultura, entre outros assuntos, é a versão Brasileira da revista Francesa).