Ting Tings no Brasil!

Com músicas pops animadas e incrementadas, que pegam fácil, como “Great DJ” e “Shut up and let me GO”, a banda Ting Tings participou do festival Planeta Terra em 2009!

Agora volta ao Brasil, com shows marcados em SP e no RJ, hoje (30/04) show no RJ e amanhã (01/05) em SP, no Cine Joia.

O segundo álbum, “Sounds from nowheresville”, foi lançado em fevereiro de 2012 e tem influências dos Beastie Boys e até do pop dançante das Spice Girls!

Adoro as músicas mais “chicletinhas” deles, são animadas e divertidas!

Rio de Janeiro: 30 de abril (segunda-feira), às 23h Onde: Circo Voador – Rua dos Arcos, Lapa Ingressos: R$ 160,00 (pista)

São Paulo: 1º de maio (terça-feira), às 22h Onde: Cine Joia – Praça Carlos Gomes, 82, Liberdade Ingressos: R$ 160,00 (pista lote 1), R$ 190,00 (lote 2) e R$ 220,00 (lote 3)

Política de gente grande!

Pessoal, o Filipe que fez o post “Estudar fora ou não, eis a questão”, topou fazer uma coluna semanal, nos atualizando sobre os acontecimentos econômicos, políticos e culturais, direto da Europa! Para inaugurar a coluna, nada melhor que o assunto “Eleições na França” que está em destaque essas semanas!  

Bonjour!

Para os desavisados, estamos em plenas eleições na França, o primeiro turno foi no domingo dia 22 de abril, e o segundo turno será no dia 6 de maio. O título é uma alusão para a diferença da forma de se tratarem política aqui no velho mundo.

O primeiro turno das eleições foi vencido pelo Partido Socialista de centro-esquerda do François Hollande com aproximadamente 29% dos votos, o segundo colocado e atual presidente da França da UMP (União por um Movimento Popular) de centro-direita, foi o Nicolas Sarkozy com aproximadamente 27% dos votos. Quanto aos outros candidatos uma “triste” surpresa, mas historicamente compreendida. A candidata de ultradireita Marine Le Pen obteve expressivos 18% de votos, enquanto o candidato de extrema esquerda Jean-Luc Mélenchon obteve 11%. Essa expressiva votação para a ultradireita criou e está criando diversas manifestações da mídia nas últimas semanas. A candidata possui opiniões extremistas em relação à imigração, União Européia, políticas educacionais e outros assuntos polêmicos. Essa corrente da ultradireita européia não é novidade por aqui, outros países como a Alemanha, Áustria, Holanda e Inglaterra, viram florescer as ideias extremistas com o agravamento da crise, por isso digo que historicamente é compreendido, mas seguimos temerosos.

Mas o objetivo não é criticar os planos de governo dos candidatos, mas discorrer sobre a forma de fazer política por aqui, bem diferente da brasileira. Primeiramente me surpreendeu a quantidade de TVs, Rádios e Jornais que se interessam por política (não existe horário político gratuito na França, mas a maioria dos meios de comunicação são públicos), não existe propaganda política na mídia, mas existem extensivos debates, críticas, “mesas redondas”, que abordam as opiniões de TODOS os candidatos quase que com o mesmo tempo de exposição. Houve 10 candidatos à presidência, e posso dizer que pelo menos seis deles estavam todos os dias na mídia, se não eles, mas membros de seu partido discutiam planos, projetos, assuntos polêmicos como emprego, dívida pública, imigração, religião e etc. Foi quando eu comecei a fazer uma triste comparação com o Brasil.

Horário político gratuito (não democrático), excesso de propaganda nas ruas (mesmo se a lei não permita, ainda há os que se arriscam), comícios onde o objetivo não é ouvir o candidato, mas ver o show da banda que você gosta (sim, bandas são contratadas para fazer comícios), tempo escasso nos debates para TODOS os candidatos (só para lembrar, estamos numa democracia), debates manipulados (como não se lembrar da manipulação da Globo nas eleições Collor x Lula?), tudo que infelizmente vem minando nosso sistema eleitoreiro.

É triste para um país que possui avanços enormes como a urna eletrônica, mas atrasos como o voto obrigatório. Além da demora de uma reforma política e mais democrática. Podíamos aprender com o velho mundo a fazer política, não à politicagem e sim à liberdade e igualdade na política. Dessa forma formaremos cidadãos mais conscientes de seus atos e votos.

Mas será que parte disso não é culpa nossa? Do povo? Não damos valor para a democracia, alimentamos o sistema bipolar político brasileiro e terminamos sempre dizendo “isso nunca vai mudar, político é tudo igual”. Para quem se interessa por política vale a pena acompanhar de perto, não é só de torres, vinhos e queijos que são feitos os franceses, é de se admirar a consciência política do povo francês. Nessa eleição houve 20% de abstenção (o voto não é obrigatório), um número relativamente pequeno para um país do tamanho da França.

A bientôt.

Filipe

Ps. Foi a única foto que eu consegui de todos os candidatos, essas placas são expostas na frente de todos os locais de votação.

Sites úteis sobre política francesa/europeia: Na França: http://www.lemonde.fr (Periódico conhecido no mundo todo, tem um viés político e não possui um lado declarado, diferente do Figaro (direita) e do Liberation (esquerda) se você estiver procurando uma visão “neutra” das coisas, mas estão todos em francês).

Para os que gostam de uma leitura mais carregada, recomendo o Le Monde Diplomatique Brasil (À venda em quase todas as bancas por aproximadamente 10 reais, é uma revista mensal sobre política, economia, cultura, entre outros assuntos, é a versão Brasileira da revista Francesa).

Volta por cima!

Conheci o blog “Eu lia tu lias” essa semana e fiquei horas lendo, a autora Lia Bocks manda super bem nos textos, me encontrei e encontrei váaaarias amigas neles, recomendo a leitura!

Aliás, eu descobri o blog através da Revista TPM (Trip Para Mulheres) que é a minha preferida das femininas! Nada de matérias do tipo: “Conquiste seu homem em 15 passos” ou “Ouse na cama e surpreenda o gato” rsrs… !

Enfim, tudo isso para falar que eu li esse texto abaixo no blog e resolvi compartilhar, ás vezes nós achamos que é o fim do mundo, o desespero bate, ficamos sem esperanças e de repente, quando menos se espera, passou! A dor ficou pequena, distante e a música volta a tocar..

Sempre há aqueles dias em que a garganta não consegue dizer, a cabeça não consegue pensar e o coração não consegue discernir. Todos eles apenas choram, até os dedos dos pés choram, encolhidos e sobrepostos, como esmalte descascado.

Tudo se debulha em soluços e lágrimas enquanto o rímel repousa inútil na pia do banheiro e aquela blusa nova sexy não consegue sair da gaveta. Nenhuma palavra parece reconfortante. E nessa hora… chove, você bate o carro, perde a carteira, cortam a net e seu cabeleireiro está, certamente, de férias. Bom, ainda bem que pelo menos não é Carnaval.

Chorou com os dois braços apoiados na direção do carro? Teve que sentar no chão do box porque o peso das lágrimas foi forte demais? Secou os olhos com o papel toalha áspero do trabalho?  Teve que virar o travesseiro para não se afogar? Ouviu da sua melhor amiga “qualquer coisa me liga, estou aqui”? Querida,  seja bem-vinda, você está no fundo do poço! E o poço sempre tem um nome, claro! Por causa do fucking Facebook, ele tem um status de relacionamento, mil amigos,  fotos em profusão e um sorrisinho matador no rosto. Maldita inclusão digital.

Nessa hora, fofa, esqueça a etiqueta e as boas maneiras. Amordace a madame Poças Leitão que há em você. Esqueça o lindo discurso de boas energias e, principalmente: esqueça que tudo que vai volta e amaldiçoe! Envie todo seu ódio e seus maus agouros, grite, cuspa, deixe entrar e sair a Pombagira. Do fundo do poço, gata, você não passa! É bem provável que depois disso você ainda continue deixando cair uma ou outra lagriminha, mas o resto da música vai começar a soar em seus ouvidos: “dar a volta por cima que eu dei, quero ver quem dava!”.

Bom domingo!!

Beijos Tata!

Vale Tudo!

Assisti ao musical Vale tudo – Tim Maia, inspirado na biografia do cantor, escrita por Nelson Motta na quinta-feira e é muito bom!

O elenco é ótimo, o tão falado Thiago Abravanel, neto do Silvio Santos, é excelente. A peça é engraçada, mais leve do que eu esperava, mas com momentos bem tocantes!

A apresentação dura 3 horas, com um intervalo no meio. Começou as 21h e acabou um pouco mais de meia noite, ou seja, vá preparado para bastante horas sentado! Eu fui direto do banco e acabei a peça morrendo de fome rsrs!

Mas vale a pena, o elenco todo é ótimo, tem várias passagens engraçadas da vida do Tim, além das músicas que são ótimas!

Na foto: Tim Maia e Thiago Abravanel na peça.

L´Amitie

Ontem, para a primeira parte da comemoração de aniversário do meu namorado, fomos jantar no L’Amitie com a família dele.

O ambiente é muito legal, luzinhas na decoração, bem mais espaçoso e além disso todos estavam animados. O serviço também foi impecável, fora a comodidade pois é ao lado do meu trabalho rs.

Porém, achei os pratos OK, nada demais. Pedi um Entrecote, achei a carne sem graça, de sobremesa um prato degustação com 3 mini doces, o único gostoso mesmo era o créme brulée. Os outros pratos estavam bonitos e todos gostaram, mas senti que poderiam ser melhores.

Custo x benefício dos franceses ainda prefiro o Le Jazz, apesar de ser bem mais “apertadinho” e sempre ter espera, a comida e os preços são melhores.

L’ Amitie – Rua Manoel Guedes, 233